Lernu

lernu!

sábado, 20 de dezembro de 2008

Ler livros ao computador.

O velho hábito de ler um livro, evoluiu com o advento dos modernos sistemas de compartilhamento de informações. Há até pouco tempo, a única maneira de se ler um livro era comprá-lo ou emprestá-lo de um amigo ou de uma biblioteca pública. Ora, comprar um livro custa caro... Um lançamento de literatura popular, ainda mais um "Best-Seller" pode custar muito dinheiro.
Algumas pessoas tomaram coragem, utilizaram uma brecha na nossa legislação sobre direitos autorais e começaram a disponibilizar livros gratuitos pela internet. Atualmente, com alguma paciência, podemos "garimpar" obras sobre praticamente TODOS os temas que consigamos pensar!

O que é preciso para ler um livro pelo computador?

Em primeiro lugar saber achá-lo. Tenho observado que a maior parte dos acessos a esse blog (que não são tantos assim...) são originados de buscas por livros no Google.
Livros de domínio público, ou seja aqueles cujos direitos autorais já caducaram (mais de 70 anos do falecimento do autor) podem ser achados em várias bibliotecas públicas virtuais. Algumas podem ser encontradas aqui e aqui.

Mas, que tal ler um livro daqueles que por motivos misteriosos, custam R$ 80,00 nas livrarias? Nesse caso, precisamos procurar por livros disponibilizados na internet. Muitas pessoas têm o hábito de digitalizar os livros. Pacientemente passam o livro pelo scanner, usam um programa para transformar a imagem em texto, corrigem os erros e os divulgam. Alguns sites como o Viciados em Livros disponibilizam livros novos, muitos lançamentos, sobre vários assuntos. Esses livros se destinam a ser "lidos" por deficientes visuais, através de programas especiais que sintetizam a voz humana... Nada impede que um não-cego preguiçoso utilize o sistema para ouvir um livro do Jorge Amado se balançando numa rede... Ou então que voce carregue o livro em algum programinha de leitura, sente-se diante do seu micro e ao invés de jogar conversa fora ou jogar videogame, LEIA um livro. Cansou? Levanta, dá uma volta, bate um papo com a família.... A maior queixa que eu ouço das pessoas é " - Cansa ler ao computador!" Ora, o mesmo sujeito passa quatro horas batendo papo no MSN! Mas o que eu acho incrível é poder carregar esses livrinhos em um dispositivo portátil, um PDA (pocket PC ou Palm) ou um leitor de ebooks ou mesmo um telefone celular.Mas essa é outra estória.
Existem comunidades no Orkut dedicadas a divulgação de links para livros digitalizados, basta procurar.

Mas, que programas eu uso??? São caros??

Bom, existem muitos programas que podem ser usados. Que programa utilizar depende de em que formato de arquivo o seu livro está. O formato que, sem dúvida é mais comum na net é o PDF. Já é um padrão utilizado para se mandar grandes textos, revistas e ... livros , claro. Para lê-lo usa-se o programa Acrobat Reader, que é gratuito. Pode ser baixado do site da própria Adobe, já em português. A grande vantagem desse programa é que já deve estar instalado no seu computador. Existem outras alternativas para ler o formato PDF. O programa Foxit possui uma versão gratuita, que é mas leve que o Adobe, utilizando menos recursos da máquina. A desvantagem é que está em inglês, o que pode ser desconfortável para alguns.
Também é comum encontrarmos livros na internet no formato HTML (com a extensão htm). Esse formato é lido por qualquer navegador (como o internet explorer) sem maiores problemas. Outros formatos comuns são o rtf e o doc, que são lidos por processadores de texto como o onipresente Word .
Bem, a idéia era mostrar que a literatura pode (e deve) ser acessível a todos. Não é nenhum bicho de sete cabeças usar a internet para cultivar o hábito de ler. Com algum cuidado, qualquer pessoa pode rapidamente construir sua "biblioteca virtual".
Claro que os livros de papel continuam interessantes. Livros têm cheiro, peso... É gostoso sentir um livro nas mãos. Um livro "de verdade" pode ser dado de presente e podemos escrever nele dedicatórias, que às vezes são presentes melhores que o próprio livro, enfim eu acredito que os livros continuarão a existir por muito tempo.