Lernu

lernu!

sábado, 29 de setembro de 2007

Leitores de ebooks no PDA


Ontem estava passeando no blog da Bia Kunze, a Garota sem fio , e me deparei com um ótimo review (como sempre) do programinha Repligo. O Repligo é uma alternativa para visualizar arquivos em Palms ou Pocket PCs. Experimentei e adorei o programa. A adaptação das imagens para a telinha é excelente e as opções de leitura por fluxo de texo permitem que nada seja perdido: É possível ver as imagens, ler as legendas e seguir o fluxo do texto entre páginas sem dificuldade. Os visualizadores do formato repligo (.rgo) são gratuitos, mas o conversor custa U$ 29,95. Fico pensando: Ele deve ser realmente bom e útil, para competir com o formato PDF que possui conversores gratuitos! Minha experiência com o formato PDF no Pocket não é boa: É um saco ficar mudando a taxa de zoom para conseguir ver figuras e seguir o texto! Além disso, no leitor da ADOBE as imagens ficam meio borradas... Assim resolvi usar o Repligo para ler os livros com imagens mescladas ao texto em formato PDF (grandes livros ilustrados, por exemplo). O grande teste foi converter o livro Cosmos, Carl Sagan, do formato PDF para o .rgo. Foi rápido e não houve nenhuma perda de conteúdo ou formatação. Uma beleza! Avanço pelas páginas de texto, leio as legendas das fotos e visualizo as imagens maravilhosas do livro na telinha!

Quando tenho um livro sem fotos, como a maior parte da literatura não técnica, eu utilizo o programa Ubook. Uma das grandes vantagens do Ubook é sua capacidade de ler vários formatos: o pdb (nativo da Palm), txt, rtf, html e PDF (sem as imagens) outra coisa muito boa é que ele abre arquivos zipados diretamente! Isso é uma mão na roda pra quem não tem cartão de expansão! O Ubook ainda oferece uma série de skins (gratuitos), que é para o leitor não achar que todos os livros têm a mesma cara... Te permite ver a capa do livro, e ainda é visualizador de fotos. Outra vantagem: Possui um modo de leitura dinâmica, em que cada linha é "acesa" a uma velocidade controlável: Assim, o leitor pode ajustar para a sua própria velocidade de leitura.
É ótimo: Simples, leve, interface bonita e barato! Na verdade, se você não quiser comprar a licença por apenas U$ 15,00, é só não se incomodar com uma mensagem solicitando registro a cada 2 ou 3 páginas de leitura. Dizem os próprios desenvolvedores que existem licenças flutuando pela internet...

sexta-feira, 21 de setembro de 2007

Legalização do Aborto

Estamos entrando em um daqueles momentos decisivos no nosso país: Reacende-se a discussão sobre a descriminalização do aborto.
Ontem um bebê anencéfalo completou 10 meses de idade em São Paulo. Segundo a reportagem, a criança está até com peso acima do esperado. Em uma criança saudável, isso seria motivo de alegria para a família. Nesse caso, é apenas a constatação de que as funções vegetativas vão bem, portanto a expectativa de vida da criança é provavelmente grande, já que a média nesses casos é de apenas três meses. Será que a moral religiosa é tão insensível ao sofrimento dos pais e familiares desse bebê? Hoje em dia, com métodos modernos e seguros de diagnóstico para malformações congênitas graves, é um absurdo que um embrião/ feto com tal malformação nasça. Apenas uma legislação retrógrada e insensível obriga as famílias a suportar essa carga. E a "criança"? Que criança? O que temos ali é um ser vivo, sim... No entanto , aquelas funções que definem o que chamamos de ser humano nunca surgirão, pois não existe cérebro!
A gravidez indesejada leva dezenas de milhares de mulheres à praticar abortos ilegais. Aquelas que têm condições mínimas de pagar uma clínica clandestina correm o risco de uma intervenção em um ambiente sem controle sanitário, realizado por "profissionais" dos quais não se tem nenhuma informação. Para as clínicas e para os 'médicos" que as operam é um excelente negócio! Tudo que é necessário é investir em "segurança" e garantir que as autoridades não vejam o seu funcionamento. Imagine o lucro que um negócio desses dá! É como todo negócio ilegal: Lucro rápido, garantido muito superior ao investimento. Qualquer análise estatística dos dados OFICIAIS sobre mortes decorrentes de aborto mostra que é uma intervenção perigosa. Será que o fato de ser realizada em estabelecimentos clandestinos não agrava a situação?
Tenho certeza que 99% das mulheres que se submetem ao procedimento são religiosas, e que suas crenças condenam o aborto. E daí? Vamos, como sempre, usar a hipocrisia... É contra, é pecado... Mas quando a filha tem uma gravidez indesejada acompanha à clínica de aborto!
A atual legislação só permite o procedimento em 2 casos: Risco de vida para a mãe ou gravidez em decorrencia de estupro. Filhos de estupradores são menos dignos à vida do que filhos de outros criminosos... Isso é simplesmente Eugenia. O argumento do legislador seria que a Degeneração do pai passaria ao filho. Meu Deus!
Realmente é hora de falar, falar abertamente sobre o aborto. A sociedade mudou muito, a moral foi obrigada a discutir abertamente o comportamento sexual. Quem imaginaria, na década de 70, uma novela de televisão pregando o uso da camisinha. Não existiam DSTs naquela época? Claro, mais o surgimento da Pandemia de AIDS obrigou que a moral se adequasse à nova realidade. Já vi alunas saírem correndo da sala de aula quando o professor (eu) mostrava como colocar uma camisinha em uma banana. Acredito que hoje elas não corram mais.

quinta-feira, 13 de setembro de 2007

Nós Perdemos ?

Lembro-me da década de 80, quando discutíamos inflamadamente sobre as duas então “soluções” para os problemas do planeta: capitalismo x socialismo. Naquela época nos degladiávamos discutindo se a comida e educação que seriam conseguidas com o socialismo, valiam a perda da “liberdade” que viriam com ele. Como pano de fundo dessas discussões, tínhamos a agonia da nossa ditadura, a reurbanização dos movimentos populares. A Campanha pelas Eleições diretas pra presidente, o medo de um novo golpe e então, diante de u milhão de pessoas na cinelândia, a certeza de que lutaríamos contra ele.

Os anos passaram. Num processo lento e doloroso, como torcedores de time ruim, vimos a então chamada esquerda, aquela que nos guiava e estava na frente de batalha das lutas da nossa juventude, finalmente vencer uma eleição. Não foi fácil. Fomos roubados em 89. Perdemos para a máquina e$tatal bem azeitada do FHC em 94. Mas chegou o dia em que, finalmente, ele venceu. Lembro do discurso emocionado da posse. Da esperança que se acendeu em todos nós. Não que, esclarecidos, pensássemos que teríamos a redenção dos males da pátria. Não que acreditássemos na suprema honestidade daqueles que chegavam ao poder. Mas havia a esperança. Essa esperança resumida brilhantemente na frase “ E a esperança venceu o medo..”.

Hoje, apenas 5 anos depois, percebo que estamos diante da pior política ambiental que já assolou este país, que os bancos lucram como nunca, que os programas sociais são descaradamente usados como propaganda política, e , o que é pior, é isso que determina sua qualidade, não seus resultados.

Mas, nem tudo está perdido. Esses vinte e poucos anos foram os anos de fortalecimento das instituições: Veja-se o MPF e a Policia Federal. Agora estamos finalmente em um Estado onde podemos exigir que se CUMPRA a lei.

Ainda não sei responder a pergunta do título... Se por um lado me envergonho com o que emergiu do poder exercido por aqueles em que eu sempre votei, por outro percebo uma luz, um caminho – O fortalecimento das instituições... Como disse o próprio Renan “ A luta continua”.