Lernu

lernu!

quinta-feira, 23 de agosto de 2007

O Físico, Noah Gordon




Sabe aquele livro que voce vê na livraria, acha a capa atraente, dá uma folheada e fica com vontade? Aí vc descobre que é caro...
Pois é. Foi assim. Há muito tempo queria ler esse livro. Finalmente encontro-o no grupo de livros virtuais. O livro é graande! Mas vale cada momento!
Uma história passada no século XI, sobre um médico inglês, desde a infância. O que eu mais gostei do livro foi a abordagem da intolerância religiosa. O herói, cristão, finge ser judeu para poder estudar em uma escola de medicina na Pérsia. Dessa forma, entra em contato com os costumes, as línguas, os medos e belezas das religiões islâmica e judaica. Na verdade esse é o primeiro volume de uma trilogia sobre uma família de médicos.
Quando eu ler o segundo volume, O Xamã, eu conto.

7 comentários:

Alberto Costa disse...

Hélder, o livro realmente é otimo. Mas traduzir "The Physician" como "O Físico" é muito para a minha cabeça. E a Rocco publica com o subtítulo na capa "a epopéia de um médico medieval". Médico? Não é físico? E a gente paga até R$ 69,50 (Martins Fontes, no Bondfaro, hoje, 25.11.08).
Caro? Imagina... com uma tradução dessa qualidade, é extorsão.
Alberto Costa

Helder Marques disse...

Pois é, Alberto... Mas acho que usaram " O Físico" porque " O Médico" seria um título pouco chamativo. (Tá eu sou ingênuo.) Mas o preço é absurdo mesmo... Por isso eu fiquei tão feliz quando o encontrei em meio eletrônico.

Alberto Costa disse...

Olha,Hélder, eu não conheço você o suficiente para usar certas liberdades - mas vou falar como Jesus com Pilatos: "tu o dizes" (isso é a respeito de "tá, eu sou ingênuo").
Se o nome do livro tivesse ficado "Os 10 caminhos medievais para se tornar um médico de sucesso", sua explicação seria plausível - auto-ajuda vende mais. Mas entre físicos e médicos, acho que estes têm mais IBOPE - afinal, somos uma geração-saúde desde o Dr. Kenneth Cooper. E um físico, o que é mesmo isso?
Agora, sobre o e-book - o único problema que eu vejo com isso é pirataria. Prá mim é o mesmo que comprar aqueles DVDs de ambulantes na rua. Além da questão ética, tem o problema da qualidade - entregam tudo o que prometem e, se entregam, você não vai ser autuado como receptador? Se isso estiver ok, que venham as alternativas mais baratas - leio desde os 4 anos e sou um compulsivo comprador de livros e "rato de sebo". Certamente, mais barato é melhor.
Abraços.

Helder Marques disse...

Entendo o que disse, mas veja o meu raciocínio:
Quando um camelô vende um DVD -Pirata, existe toda uma rede, de bandidos mesmo, que reproduz e distribui material com direitos autorais. Isso é crime, não há dúvida.
Por outro lado, quando alguém digitaliza e disponibiliza gratuitamente um livro na internet não está ganhando dinheiro. É, na minha opinião, consequencia dos preços absurdos praticados pelos editores... Além disso, nossa legislação permite que a reprodução de obras por meios que facilitem o acesso aos deficientes visuais. Assim, a digitalização de livros não seria um crime. Mas é apenas a minha opinião. Ainda assim, amo comprar livros "de papel". Você comentou sobre os sebos: Conhece a Traça? http://www.traca.com.br

Abraços!

Alberto Costa disse...

Ok, Hélder, se estamos falando de disponibilizar gratuitamente, o papo é outro. Ainda temos um problema legal, porque a reprodução total é sempre proibida por lei e a parcial depende de autorização do proprietário dos direitos, mas o problema ético é relativizado pela questão do interesse público e pelo fato de o disponibilizador não estar auferindo qualquer vantagem pessoal ou corporativa (a menos que o site dele seja patrocinado, que é um modelo cada vez mais comum na internet).
Por outro lado, concordo com você: eu sou campeäo de ler livros (ou, pelo menos, resenhá-los) nas livrarias, sem comprá-los. Esse é um mercado muito restritivo.
Obrigado pela boa conversa a respeito.
Alberto Costa

Neto disse...

Apenas uma obs.: O título da versão brasileira, O Físico, foi tido durante algum tempo como uma gafe de tradução. The Physician, do inglês, significa médico. O tradutor teria confundido physician com physicist, que significa físico. Na verdade, não há gafe nenhuma, já que na Idade Média, época descrita no livro, médicos eram chamados de físicos. AH... o livro vale cada centavo gasto por ele.

Renato disse...

Alguém possui o PDF deste livro? Gostaria muito de ler.